Category Archives: Tecnologia – geral

Mantendo o foco na era da distração!

É um assunto meio batido, mas interessante. Eu ainda estou buscando as minhas formas e todo dia é uma luta!

E eis que encontrei um infográcio com uma abordagem bem legal que é na verdade um resumo de um livro, mas não o queria como infográfico, mas sim como uma lista (para imprimir com alguns pontos modificados) e queria em português. Aí, como já tinha feito mesmo, resolvi postar aqui, vale a pena!

1- DESENTOXICAÇÃO TECNOLÓGICA:

Diga não para:
– TV
– FACEBOOK / TWITTER / REDES SOCIAIS EM GERAL
– MOBILE
– E-MAIL

2 – GERENCIAMENTO DE ESPAÇO:

Faça 1 coisa:
– Se lendo, tenha apenas um livro em sua frente
– Gaste 10 minutos por dia organizando a bagunça

Afaste as distrações:
– Use uma bandeja para entrada de papéis(responsabilidades)

3 – COMO TRABALHAR:

Trabalhe em períodos focados:
– Use um timer. Estipule tempos para trabalho e pausa (Ex: 50 minutos de trabalho / 20 de pausa) – veja também: a técnica Pomodoro.

Fique longe do computador:
– Trabalhe em área sem internet ou use caneta e papel

4 – CRIE HÁBITOS RITUALÍSTICOS:

Pela manhã:
– Passe um tempo quieto (meditando, lendo, escrevendo algumas páginas)
– Tome um banho
– Tenha um café da manhã saudável
– Saia para caminhar

Na hora de dormir:
– Limpe toda a louça da sua pia
– Lave o rosto
– Leia um livro

Mude o foco:
– Alongue-se
– Caminhe
– Olhe a sua To-DO list

5 – GERENCIAMENTO DE E-MAIL:

Estipule um tempo para estar desconectado (tipo de 8 as 10 a.m.)

Cheque o e-mail em momentos fixos:
– 2 a 3 vezes ao dia

Desligue os alertas de e-mail

6 – TEMPO PARA REFLEXÃO E REVISÃO:

Primeira coisa pela manhã:
– Quais são as 3 coisas mais importantes a fazer hoje? (e ão cheque e-mail até completar)

No fim do dia (restrospectiva):
– Em que irei focar amanhã?
– O que eu fiz?
– O que pode melhorar?

7 – AJUDA PARA VICIADOS:

Programas de bloqueio:
– Liberadade! Mantém você longe da internet!
– Auto controle. Mantém você longe de sites específicos.
– Utilize outras formas para trabalhar fora do computador.


Gnome 3 Launch Party no IFF (Campos / RJ)

O lançamento do Gnome 3 está marcado para o dia 06/04/2011. Devido a isso, pessoas do mundo todo estão se mobilizando para realizar uma Launch Party, para comemorar! Você pode ver as festas ao redor do mundo aqui.

No IFF-Campos (campus Centro), não será diferente! No dia 07 de abril, teremos a Festa de Lançamento do Gnome 3 do IFF. A programação prevista inicialmente é a seguinte:

16:00-19:00 – Install Fest *
19:00-20:00 – Palestra sobre os detalhes e o que mudou no Gnome 3 *
20:00-21:00 – Palestra sobre dicas de Ubuntu/Linux *

[sujeito a alteração, que será informada nesta página caso aconteça!]

Maiores detalhes estão sendo definidos e eu atualizarei esse post. Por enquanto, reserve esse horário e dia na sua agenda e junte-se a nós!

===========

[UPDATE]

Devido a interface do Ubuntu nas edições futuras não usar mais o Gnome (e sim o Unity) e como o uso no IFF, de uma maneira geral, pelos alunos e projetos de pesquisa de distros Linux é o Ubuntu, percebeu-se que o evento não era prioritário e muito relevante e assim, optou-se por não realizá-lo, pois seria apresentada uma interface que a galera acabaria não utilizando na prática.

Mas aguarde e fique atento, pois devemos ter coisas novas pintando por aí em breve…


Rodando Ubuntu dentro do Windows XP: VirtualBox X VMWare X PortableUbuntu

Pois é… Por diversas circuntâncias, a gente as vezes tem que fazer uma coisa bonita assim 😛

No meu caso, por causa do trabalho, onde todos os terminais são Windows (apesar de os servidores serem Linux). Assim, para poder rodar o meu Ubuntu aqui, experimentei mais problemas do que gostaria… Mas acho que sempre é válido como experiência e aprendizado! Detalho abaixo as opções que encontrei e seus prós e contras.

1) VirtualBox – 2 semanas

Eu pesquisei sobre as Máquinas Virtuais (VMs) free disponíveis e fiquei em dúvida entre a VirtualBox e a VMWare. Fui perguntar aos amigos que desenvolvem e utilizam muito VMs, e a VirtualBox foi muito bem recomendada. Porém, depois descobri, todos eles usavam o Linux como Host. Mas no meu caso, eu precisava usar o Windows XP como Host e o Guest Ubuntu. Tentei várias coisas e mesmo com o máximo de memória alocado, em uma das tentativas (minha máquina do trabalho tem 2Gb) experimentei muitos problemas:

– instalação estressantemente demorada! (mais de 2 horas, sem instalar os recursos adicionais que o Ubuntu 10.10 oferece na instalação)
– resolução de vídeo ruim (máximo 800×600, mas bem ruim!) e aparentemente ‘irresolvível’. Tentei alterar xorg, drivers… Mas nada funcionou.
– para resolver o vídeo fiz tanta coisa que vi nos fóruns da vida (2 dias de tentativas) que no fim não bootava mais pela interface gráfica (eu sei que foi n00bisse minha parte aqui, mas era: ou dá certo ou desinstalo).

Não desisti! Criei uma nova VM, com o máximo de recursos alocados. Funcionou bem (mantendo o problema da resolução e ainda lenta – mesmo com muita memória alocada). Eu iria continuar usando dessa maneira meia boca, só pra não perder tanto tempo instalando outro software e reconfigurando tudo.

Porém ainda limitada assim, durou apenas 5 dias. Um belo dia eu logo no computador e o VirtualBox parou de startar do nada! Simplesmente o programa não funcionava mais… Já tinha perdido tanta configuração, download de atualizações e etc… Que desisti fui procurar uma solução alternativa.

2) Portable Ubuntu– 1 semana

Como outra solução interessante, encontrei o Portable Ubuntu, uma software muito legal que é leve, rápido de instalar e usar, pode ser levado num pen drive! O software apenas emula uma uma barrinha do Ubuntu na tela do seu Windows, de onde você pode rodar todos os programas, instalar pacotes, etc. A idéia é excelente, e para conhecer o Ubuntu e suas aplicações acho que é mais prático até do que o liveCD (que já é extremamente prático)! Tudo muito bom, muito bem… Mas vamos aos problemas:

– a versão do Linux é a 8.04 (bem desatualizada!), possuindo assim repositórios antigos, menos recursos etc.
– para resolver o problema dos repositórios antigos eu adicionei os novos repositórios na mão. Mas ainda muitos programas que traziam facilidades de automatização no download via linha de comando eu perdi e tinha que instalar baixando pacotes, descompactando… Para um ou dois ok, mas foi acontecendo muito ao longo do uso.
– uma solução ruim para a forma intensa (todo dia, por volta de 6 horas, baixando muita coisa pra desenvolver) que eu estava utilizando, por ser, neste caso, visivelmente lenta.

A minha conclusão sobre ele é que é muito legal para experimentar o Ubuntu/Linux, muito legal para usar certas coisas do Linux quando não tiver como instalar (como eu, no trabalho), quando o uso for esporádico. Mas ruim pro meu objetivo, que é usar o Ubuntu para quase tudo (exceto os sistemas da empresa, que são Windows) e usar todo dia.

3) VMWare – prazo indeterminado

Finalmente, após quase 3 semanas de peleja, há cerca de 2 semanas estou no paraíso! Pode não ser a solução para todos, mas se alguém que é usuário Windows me perguntar que máquina virtual deve usar, vou indicar a VMWare. Sem comparação. As vantagens foram gritantes no meu caso:

– Resolução de vídeo detectada automático (até 2720 x 1770! OMG! Que monitor suporta isso? rs)
– Instalação muito rápida (menos de uma hora estava com o Ubuntu pronto pra usar)
– Instalação de hardwares muito simples (o som não funcionava no Ubuntu e eu resolvi em 1 minuto, nada de google!)
– Menor alocação de memória (512 Kb) e funcionamento perfeitão, quase tão rápido quanto o sistema hospedeiro!

Observações:

1 – A interface de administração “VM Ware Server Home Page” não funciona em navegadores, é preciso usar o Internet Explorer (rsrs).

2 – Mesmo no IE, se tiver problemas de acesso, provavelmente esse link irá ajudar.

3 – Tenha cuidado ao adicionar a chave de licença! Problemas são relatados aqui. Eu tive problemas com isso, pois não coloquei a chave no momento da instalação e só consegui resolver desinstalando, removendo a chave e reinstalando (informando a chave na instalação).

4 – As chaves são gratuitas e você pode pedir até 100, tanto para hospedeiros Linux quanto Windows.

Fico por aqui. Sem querer induzir ninguém a nada, isso é só um relato de experiência, ‘aconteceu comigo’ e acho que pode ser útil…


Utilizando APT-GET, WGET e GIT com Proxy no Ubuntu 10.10

Ano novo, ambiente de trabalho novo, problemas novos e o melhor: novas soluções! Sobre esse assunto, vou falar em 2 posts de 2 problemas que tive.

Esse primeiro é sobre o uso do APT-GET, do WGET e do GIT em conexões que fazem o acesso a rede via Proxy (no meu caso, no Ubuntu 10.10).

APT-GET e WGET com Proxy:

Procurei sobre o uso dos dois gerenciadores de pacotes e encontrei diversas soluções via google, a maioria alterava de maneiras diversas algum arquivo de configuração no diretório “etc”. Mas após algumas soluções que não resolveram (ou claramente não resolveriam e eu nem tentei!), encontrei nesse artigo do Guia do Hardware a resolução da questão. O artigo é grande e eu resumo aqui (parte copiado, parte com minhas palavras) a sessão que aborda esse assunto:

– Configurar o APT para usar proxy:

PASSO 1: Crie o arquivo “/etc/apt/apt.conf.d/98proxy”

PASSO 2: Adicione nesse arquivo uma seção “Acquire”, especificando o login e a senha de acesso (se houver autenticação, senão, basta omitir o usuário e a senha), o endereço do servidor e a porta, como no exemplo:

Acquire{
HTTP::proxy “http://usuario:senha@192.168.1.254:3128”;
FTP::proxy “http://usuario:senha@192.168.1.254:3128”;
}

A linha “FTP” é necessária apenas se o arquivo sources.list incluir algum endereço de repositório acessado via FTP, o que é suportado pelo apt, porém raramente usado.

PASSO 3: Salve e feche o arquivo.

PASSO 4: Use o “apt-get update” para que seja checada a configuração (processo feito a cada vez que o APT é iniciado). Não é necessário reiniciar nenhum serviço.

– Configurar o WGET para usar proxy:

PASSO 1: abra o arquivo “/etc/wgetrc”

PASSO 2: adicione a configuração no final do arquivo, seguindo este modelo (se não o proxy precisar de autenticação basta omitir usuário e senha!):

http_proxy = http://usuario:senha@192.168.1.254:3128
ftp_proxy = http://usuario:senha@192.168.1.254:3128
use_proxy = on

PASSO 3: salve e feche o arquivo. Na próxima vez que usar o wget, já estará considerando essas configurações.

– Configurar o GIT para usar proxy:

Também achei várias soluções e fiz tentativas inúteis nesse caso… No final das contas, o artigo que resolveu o meu problema foi esse, encontrado na lista de blogs do Gnome.

O que faço abaixo é uma tradução, com complementos e adaptada livremente do artigo.

OBS: Você precisa ter instalado o netcat (o OpenBSD é um: netcat-openbsd) para poder usar o comando nc com a opção-x.

Em caso de não existir o diretório, crie-o:

$ mkdir ~/bin 

É necessário um wrapper para o proxy:

$ cat <<EOF>> ~/bin/proxy-wrapper
#!/bin/sh
# Coloque seus próprios valores nos campos abaixo:
PROXY_IP=10.0.0.80
PROXY_PORT=22000

nc -x${PROXY_IP}:${PROXY_PORT} -X5 $*

EOF
$ chmod +x ~/bin/proxy-wrapper

Então você tem que ter certeza de ter setado o diretório ~/ bin no seu PATH e em seguida, adicionar a variável env GIT_PROXY_COMMAND. Essa variável será usada pelo git para fazer pushes através do protocolo git ou ssh:

$ cat <<EOF>> ~/.bashrc
export PATH=~/bin:"${PATH}"
export GIT_PROXY_COMMAND=~/bin/proxy-wrapper
EOF

Agora já será possível utilizar o git normalmente, com o proxy!

PS: Para conexões que exigem autenticação, a sintaxe do comando nc é a seguinte:

$ nc -Pusuario -xendereco:porta -X5


Resumo de Atividades em 2010

2010 foi uma ano agitado… Tanto que quase não houveram posts nesse blog! Mas nada de prometer posts e frequência pra 2011! O que vier virá! Espero que seja útil a alguém e isso basta pra mim =).

Vamos a mais um grande resumo…

Resumo de eventos externos:

20-03-2010 – EDTED – Rio de Janeiro

Fomos em um grupo do IFF para o Rio assistir a esse evento, que une design e tecnologia digital! Foram palestras excelentes e muito aprendizado. Para mim, o destaque foi para: “CouchDB” com o Tapajós, “Cloud Computing” com Antonio Pina, “Dicas sobre desenvolvimento Web com Rails” com o Fábio Akita e a mesa redonda no final sobre Gestão e Liderança com os palestrantes que foi muito legal!

EDTED 2010 - Rio

29-05-2010 – Marevix – Vitória

O evento é o Maré de Agilidade e os temas não deixaram mentir, apesar de o conteúdo uma vez ou outra deixar a desejar um pouco, mas nada que invalidasse nenhuma das palestras. Destacando: “Deploy Contínuo: pois integração contínua não basta” com Guilherme Silveira (aliás, o Guilherme e todos que eu j[a vi da Caelum são excelentes tanto em apresentação como em conteúdo!), “Negociação de contratos de projetos agéis” com Paulo Jeveaux também interessante.

Marevix - 2010

21 a 24-07-2010 – FISL 11 – Porto Alegre

Nossa! O que foi o Fórum Internacional de Software Livre esse ano!!! Fomos em um grupão de umas 40 pessoas, pro Sul, delícia de friozinho! E pra aproveitar um evento incrível, sensacional! Foi bom pela viagem, pelos amigos e novos conhecidos, pelos brindes (rs) e pelo evento em si, que teve muita coisa interessante! Os espaços em si, com suas mostras rápidas e bem legais, como a parte de mecânica, os dojos relâmpago, as promoções interessantes e interativas como as do IG. Ruim foi ter perdido o primeiro dia na viagem (looonga, cerca de 36 horas!) Nas palestras, destaque para: Github, Idéias para o Ubuntu, Rails, HTML 5, Minicurso básico de Rails (que foi mesmo básico! Mas legal…), Cloud, Palestras relâmpado do pessoal do Rio de Python, a “Porque eu sou fanático por testes e você é um bundão”, do pessoal do Rio também foi bem legal =), sobre Web Semântica, que é um assunto que me interessa, bem legal também.

Resumo de eventos internos (no IFF Campos):

Posso está sendo injusta ao citar, mas acho que não houveram muitos além desses na área de informática do IFF no ano passado… Mas bem, estou falando dos 3 eventos dos quais participei organizando e/ou assistindo, que acrescentaram muito pra mim em conhecimento técnico dos assuntos abordados e aprendizado e crescimento pessoal.

25-05-2010 – 1 PMI Day

Um dia para discutir Gerência de Projetos, não voltados para software, mas voltado para as Engenharias de um modo geral, que teve uma boa repercussão e público, com assuntos tanto introdutórios quanto mais avançados.

09 a 11-11-2010 CITI 2010

Esse evento foi sensacional! 3 dias de minicursos cheios pela manhã, 2 dias de workshops com média de público de 50 pessoas a tarde e com uma mesa redonda interessantíssima de “Qualidade Tradicional x Ágil de Software”, 3 dias de palestras com público médio de nada menos do que 200 pessoas! Muita informação, muita troca de experiências, muitos assuntos interessantes sendo abordados nas 3 áreas da Informática (redes, software e hardware!). Contando com apresentações de pratas da casa e convidados de norte a Sul do País (entre Paraíba, São Paulo, Rio e Rio Grande do Sul). O movimento foi grande pelo meio virtual também, contando com o site (que nesse momento está fora do ar) com stream de vídeo em 2 noites de palestras e um destaque especial para o twitter, onde dá para ter uma idéia boa de como foi o evento. Destaque para minicursos de “Nota Fiscal Eletrônica”, “Ruby On Rails”, “Django”, “Inteligência Artificial” e as palestras: “Arduino – Hardware Livre”, “Segurança em Redes Sem Fio”, “NoSQL”, “Rails”, entre outras! Ainda um comentário importante, de que o evento foi quase todo construído por alunos e egressos da instituição! (Veja as fotos)

CITI 2010, no IFF

12-11-2010 – PythonCampus

PythonCampus é uma caravana de tecnologia que visita as universidades integrando estudantes ao mercado. Este é o evento que mostra que é possível transformar a paixão por tecnologia em uma carreira de sucesso. O evento é gratuito e aberto ao público em geral. O assunto principal, como não poderia deixar de ser é a linguagem de programação Python. E nessa edição, no IFF, reuniu dezenas de pessoas para discutir a linguagem e os assuntos que a rondam, com uma programação muito interessante. Mas o Rodrigo Manhães em seu blog sobre programação discorreu bastante sobre o evento, então, mais detalhes você pode conferir lá!

Coding Dojos

Em Campos, no IFF, de 24/02 a 30/09 houveram 16 dojos, com códigos, relatos e fotos postados no GitHub do DojoCampos, foi muito legal! Reunindo gente nova e descobrindo talentos! Os relatos podem ser vistos aqui: DojoRio

Esse blog

Esse blog mudou de endereço por uns tempos, indo para um domínio próprio meu e do Tarsis, lá até foram postados mais um ou dois post do que os que temos aqui, mas como ele vai se dedicar a um blog próprio, esse blog permanece aqui no WordPress, com a minha pessoa postando de vez em quando suas experiências e aprendizados!

Novos Rumos

A minha vida está tomando novos rumos, estou em nova cidade, com novo emprego, espero também com isso poder trazer para o blog novos assuntos e assuntos nem tão novos sobre os quais pouco postei (Ruby / Rails são alguns deles!).

Pra fechar como o primeiro post do ano passado: Então, mãos à obra! 2011 promete . . .


%d bloggers like this: